• Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social

SOBRE

Associação de Proteção à Infância Vovô Vitorino

A Associação Vovô Vitorino é uma organização filantrópica, fundada em 1992 no bairro Tatuquara em Curitiba, o trabalho se iniciou pelo Sr. Vitorino Xavier e teve continuidade em 1993 pela sua filha Maria Julia Xavier na época recém formada em Serviço Social, hoje pedagoga, pós graduada em psicopedagogia, historiadora e gestora de projetos.

A entidade trabalhava inicialmente com crianças e hoje atende todos os públicos desde a educação infantil até a terceira idade, desenvolve diversos projetos sociais no bairro, conseguindo ampliar o atendimento para comunidade do Caximba e atender também a aldeia indígena urbana Kakané Porã no Campo de Santana.

PRÊMIOS

Vitorino Xavier - Fundador

Maria Julia Xavier - Coordenadora

Livercina Xavier - Presidente

HISTÓRIA

A história da Associação de Proteção à Infância Vovô Vitorino, começou com o Sr. Vitorino Xavier, nascido em 29 de setembro de 1931, em Congonhas - PR, casado com a Sra. Lazara Maria Leite Xavier, nove filhos.

Foi por um mandato, vereador em Ivaiporã Pr. obtendo muitas conquistas aos trabalhadores rurais, aos quais muitas vezes facilitou acesso a saúde, na aquisição de exames e transporte para o tratamento das pessoas muitas vezes até hospedagem em sua casa.

Diante de  uma crise financeira junto com a família, se tornou mais um no grande êxodo rural brasileiro e em 1983 mudou-se para a capital do Estado em busca de uma oportunidade de emprego para os filhos e principalmente a continuidade aos estudos dos mesmos, o que Vitorino sempre considerou prioridade.

No entanto suas atividades e seus ideais ficaram ofuscados diante de uma cultura totalmente diferente, de cidade grande, onde sofria calado uma profunda tristeza, porém não comentava, pois, os sonhos dos filhos eram prioritários e estes estavam sendo realizados, todos estudando, trabalhando, como havia almejado.

Com o passar do tempo começou a discutir com os moradores vizinhos a respeito dos problemas do bairro, enfatizando que eles só seriam resolvidos com a organização e participação de todos, participando ativamente na Associação de Moradores da Vila Vitória, no Pinheirinho.

 

Em 1990 através do programa de recolocação da prefeitura Municipal de Curitiba e COHAB-CT de uma área de ocupação no Sitio Cercado para o bairro foi construir a casa da filha, nesta vila, que não contava com nenhuma infraestrutura. Nesta época recebiam água através de caminhão pipa, e Vitorino ajudava as donas de casa com os baldes e fazia amizade com as crianças de toda a vizinhança, que vinham almoçar com ele e ouviam sua história de vida e a importância que devemos dar ao trabalho, atuando como um verdadeiro educador, pois sabia que essas crianças, muitas vezes, ficavam sozinhas enquanto seus pais iam à busca do seu sustento.

Esse horário de almoço começou a tornar-se um momento sagrado, dado o resultado que das conversas junto às crianças, seus pais começaram a observar que os filhos estavam mais obedientes, não estavam saindo para rua. Vitorino criou um vínculo com estas famílias estabelecendo um processo educativo informal, porém com o resultado surpreendente.

Em 07/10/1992 como os outros dias, preparou o almoço, conversou com suas crianças, comprou coisas para o aniversário de seu neto, visitou os filhos e ao retornar, sofreu um acidente trágico e fatal.

De um dia para o outro, outra realidade estava posta, aquelas crianças não tinham mais "hora do almoço" daquele Vô Batuta, conforme era chamado pelos netos e pelas crianças da comunidade.

Inicialmente a família não teve forças para enfrentar aquelas crianças e contar o que havia acontecido. No entanto, sua filha tinha que visitar sua casinha, e as crianças sempre estavam no local, para ver se trazia alguma novidade ou até mesmo algo para comer.

 

Em janeiro de 1993, esta filha de Vitorino formou-se em Serviço Social pela PUC – PR, e convidou suas outras irmãs a dar continuidade ao trabalho iniciado pelo seu pai, visto que sua irmã mais nova também estava cursando Serviço Social, e juntas poderiam oferecer um pouco daquilo que seu pai vinha realizando aliado ao conhecimento obtido na universidade.

 

Não conheciam as famílias como seu pai e então decidiram convidá-las através de serviços de alto-falante a participarem de uma reunião, onde apresentariam uma proposta de trabalho, no intuito de dar continuidade ao que seu pai havia iniciado. Compareceram aproximadamente cinquenta famílias, e assim surgiu a Associação de Proteção à Infância Vovô Vitorino - O Vô Batuta.

 

Em 18/09/94 registrou-se o início da instituição, elegeu-se uma diretoria, discutiu-se o estatuto que daria as diretrizes de ação, sempre de forma democrática e transparente.

Inicialmente, atendíamos crianças de quatro meses a cinco anos e onze meses, situação de risco e vulnerabilidade. Tivemos muitas dificuldades para manter na época 30 crianças, sem estrutura física, sem condições financeiras, somente com ajuda da comunidade que também não tinha posses, mais tinha boa vontade e ajudava voluntariamente.

 

Por volta de 1996 tivemos uma intervenção do poder público, alegando que não possuíamos estrutura adequada para as crianças. Houve muita revolta na comunidade, procuramos o prefeito com um abaixo assinado, com mais de mil assinaturas, e o prefeito deu um prazo para melhorar a estrutura da creche, realizou-se então um grande mutirão e foram feitos os reparos solicitados, assim foi liberado e formalizado o funcionamento.

 

As crianças de 0 a 03 anos ficaram na creche da prefeitura e ficamos com as crianças de 04 a 06 anos em regime pré-escolar.

A partir dessa mobilização comunitária, o Poder Público passou a nos olhar com mais respeito e a situação começou a apresentar grande melhora. Os anos se passaram aqui criamos raízes respeito pela comunidade desenvolvemos vários projetos desde a educação infantil, fortalecimento de vínculos, preparação para o mercado de trabalho, educação ambiental, esportes, projetos culturais e formação humana projetos voltados as mulheres e a terceira idade.